Ordenações Diaconais

No passado dia 22 de Abril, Domingo do Bom Pastor, a Igreja rezou ao Senhor da messe pelo dom de operários e a Sé de Leiria rejubilou por testemunhar a ordenação de dois presbíteros e três diáconos, que com alegria se entregaram ao seu serviço. Foram ordenados, pelas mãos do Senhor Bispo António Marto, perante uma assembleia composta por um grande número de sacerdotes e inúmeros féis.

Entre os diáconos, dois são Frades Menores da Província Portuguesa dos Santos Mártires de Marrocos, que muito se alegra com a sua oblação ao serviço do Reino. São eles: Fr Luís Carlos Moreira da Mota, nascido na freguesia de Guilhufe, Penafiel a 05 de Outubro de 1986 e Fr Sérgio Duarte da Costa Góis, nascido a 24 de Fevereiro de 1987 em Leôncio Martinez (Miranda), Venezuela. Deixamos aqui a partilha fraterna da sua vivência deste momento marcante no seu percurso vocacional.

Frei Luís

Nascido em 1986, numa belíssima e pacata terra da diocese do Porto, desde muito novo frequentei o que na altura conhecíamos como a “doutrina”.

Desde tenra idade aprendi os ensinamentos e orações da Igreja; dos Mandamentos às bem-aventuranças; das virtudes cardeais e teologais aos novíssimos, tudo era, com amor, apresentado como forma e caminho para chegar a Jesus e passando por Nossa Senhora que saudávamos sempre com a oração do terço no final de cada dia de “doutrina”.

Foi desta forma que cresci aprendendo a gostar das “coisas de Deus” que me eram apresentadas pela Igreja a quem tenho por Mãe e Mestra.

Anos mais tarde, participante ativo da vida da paróquia em que habitava, fazia parte de um grupo de jovens que eram acompanhados por uma Irmã Franciscana Hospitaleira, que naturalmente apresentava o modo de vida simples e cativante do Seráfico Pai S. Francisco de Assis.

Iniciei a minha caminhada vocacional em 2007, no Convento de Leiria, e decorrido o tempo estabelecido fiz o “ano da prova” ou também chamado de Noviciado, no Real Convento de Santo António de Varatojo, onde recebi dos irmãos que aí viviam exemplos vivos do que é ser Franciscano e santo. Nesta fase o Senhor concedeu-me a graça de começar a viver revestido exteriormente com o bordão franciscano e interiormente moldou-me, para que, acolhendo a Sua Palavra e os seus ensinamentos tão claros na nossa tradição, eu me fosse cada vez mais configurando ao nosso carisma.

Posteriormente fiz os meus estudos teológicos na Universidade Católica do Porto, vivendo na fraternidade de Nº Srª dos Anjos.

A 17 de Setembro de 2017, professei solenemente os votos Evangélicos no Convento de S. Boaventura em Braga. Neste dia entreguei-me perpetuamente ao Senhor da messe, exclamando com o Poverello: “Isto mesmo eu quero, isto peço, isto anseio realizar de todo o coração.” (1Cel.22)

Atento e desperto para as coisas de Deus e dos homens, preparo-me para receber o Sagrado Ministério que me configurará mais a Cristo e à Sua Igreja.

Confio-me às orações de todos e tantos que me têm acompanhado ao longo desta jornada, pedindo ao Senhor que me conceda a Graça de ser fiel administrador dos Seus Dons.

Saudação Franciscana de Paz e Bem.

(Oração feita e rezada pelo próprio na vigília de oração)

«Senhor, sois o meu Deus, desde a aurora vos procuro,

a minha alma tem sede de vós» (Sl 63,29)

 

Eu Vos rendo graças, Vos glorifico e Vos louvo pela vida que, em mim, fazeis brotar. Pelo dom do amor, do chamamento à vida consagrada religiosa e pelo dom da vocação sacerdotal.

Consciente de que a vocação é pura graça do Vosso mor e misericórdia, eu Vos sobressalto pela missão e apostolado que me confiais.

Como São Francisco de Assis, quero seguir e observar fielmente todos os Vossos mandamentos, perseverando contra a cultura de descarte, buscando o «silêncio contra a cultura do barulho», pois, só assim, serei capaz de viver, com firmeza e autenticidade, uma vida de apostolado dedicado ao vosso Reino.

Senhor Jesus, tornai-me digno de Vos servir no Altar da Santíssima Eucaristia.

«Que o homem todo se espante, que o mundo todo trema, que o céu exulte, quando sobre o altar, nas mãos do Sacerdote, está Cristo, o Filo de Deus vivo.» (Carta a toda a Ordem, S. Francisco)

Fr Luís Carlos Moreira da Mota

Frei Sérgio

Nascido na Venezuela e criado em Lisboa, recebi uma educação segundo o modelo da moral cristã, numa família católica, juntamente com duas irmãs, todos próximos em idade e afeição. Oriundo da Paróquia da Pontinha, de origem e matriz franciscana, graças à acção pastoral dos Frades do Seminário da Luz, desde cedo me habituei a viver as coisas de Deus nos tons pardos do burel franciscano, tal era o jeito dos seus e, então, meus pastores, a quem muito devo. Depois de um processo de discernimento e acompanhamento inicial, ingressei no Aspirantado em 2007, começando assim a minha caminhada de formação inicial na Província Portuguesa da Ordem dos Frades Menores. Sempre em pautas de discernimento da vontade de Deus, nos seus tempos próprios, concluí o Noviciado e os estudos teológicos, consagrando-me solene e perpetuamente no dia 17 de Setembro de 2017.

Por ora, sou ordenado Diácono, momento deveras marcante nesta caminhada, não tanto e muito menos pela dignidade ministerial que me é concedida, mas sobretudo pela responsabilidade que ela comporta: ser servo da Palavra em função da comunidade, nos seus pobres e necessitados, na mesa eucarística, proclamando – Dominus vobiscum – e enviando –  Ite missa est. Perante um tal encargo, nesta hora em que o Senhor Bispo António Marto impõe as mãos sobre a cabeça, o coração bate de comoção e transborda de gratidão, pelo chamamento de Deus, pela confiança dos Irmãos, pelo ministério da Igreja e pela certeza de que em Deus Pai, com Jesus e pelo Espírito, esta aventura será uma boa ventura. Sim, porque quando a vida e vocação são confiadas nas mãos de Deus, a certeza que nos anima e fortalece é a da bem-aventurança eterna, para a qual todos fomos criados. Assim queira Deus, para tal interceda a Virgem Maria e com isso concorram os pais São Francisco e Santa Clara.

(Oração feita e rezada pelo próprio na vigília de oração)

Ó glorioso Deus Altíssimo,

Dou-Te graças pelo dom da vida, gerada no amor dos pais e educada no aconchego familiar;

Dou-te graças pelo dom da fé, emersa da água do Baptismo, purificada na penitência, alimentada com a eucaristia e ungida pelo Espírito Santo que anima e fortalece a Igreja;

Dou-Te graças pelo dom da vocação, consagrada na pobreza, obediência e castidade, em fraternidade e minoridade, ao jeito de São Francisco de Assis.

Por Tua misericórdia, ilumina as trevas do meu coração, para que, humildado e ajoelhado no Teu serviço, procure apenas e só amar-Te e em Ti deleitar-me.

Concede-me uma fé verdadeira, para crer no que leio,

Uma esperança firme, para ensinar o que creio,

Um amor perfeito, para viver o que ensino.

Mostra-me, Senhor, o recto sentido e conhecimento do Mistério Sagrado, a fim de que possa cumprir o sagrado encargo de proclamar o Evangelho de Cristo,

Que na verdade acabas de dar-me.

Ámen.

Fr Sérgio Duarte da Costa Góis